sexta-feira, 21 de novembro de 2014

V (Review)

Fala meu povo bonito!! :D

Esta semana está sendo puxada e um tanto caótica, alguns obstáculos de percurso (entre eles falhas constantes do nosso provedor de internet) que acabaram impedindo que a gente publicasse em dia, como viram, a Athene acabou perdendo seu dia, e eu, para não acontecer estou me adiantando e deixando tudo pronto para poder publicar na sexta (no caso, hoje para vocês).

Semana passada acabei fazendo uma playlist do que tenho ouvido ultimamente, hoje, seguindo o mesmo caminho vou fazer um review musical :D
Faz já algumas semanas consegui, finalmente, o quinto álbum do Maroon 5V (leia “Five”) que fazia algum tempo que queria, afinal Maps e Animals foram duas músicas que conquistaram minha atenção desde a primeira vez que as ouvi! E por isso eu estava muito curioso e queria conseguir esse material.
No fim acabei dando sorte e conseguindo a versão deluxe (que não difere em nada sua arte com a versão standard, apenas acresce algumas músicas).



Maroon 5 e eu temos uma relação de amor e ódio há alguns anos... Eles conseguem me fazer gostar muito de alguns sons e odiar profundamente outros... Aliás, entre meus CDs (físicos) eu acabei comprando a versão deluxe (também) do “It Won't Be Soon Before Long” que terminei curtindo... Mas muito pouco.

Já este álbum parecia diferente e por isso fui atrás, afinal, duas músicas seguidas e do mesmo CD tinham me chamado a atenção, algo de bom tinha que ter!  E não é que particularmente é o primeiro CD deles (eu já ouvi todos os outros completos) que realmente eu gostei bem mais que os outros!
Tem gente que detesta a voz do Adam (Levine) (leia: Athene que não gosta nem um pouco) mas eu gosto, é um timbre diferente e eu curto o estilo deles desde “This Love”.
Aliás, o Adam vem amadurecendo o estilo dele e isso é legal, aliás, até o estilo visual do cara está bacana nesses últimos tempos e ele é muito engraçado, para quem assistiu alguma vez o The Voice USA sabe ao que me refiro.



Bom vamos falar do (Parece até que estou falando de V de vingança, mas não... É o álbum V) :P

Primeiro sobre a arte:

A capa:



Eu achei ela tri legal! Os tons azuis com o V em neon vermelho deram um baita destaque, o conceito da foto está muito bom... Eu pelo menos curti... Conheço capas piores. A banda não é destaque na capa, e isso achei bom, não é uma foto monótona qualquer.

Arte interna:








Simples, nada demais... Apenas um detalhe me fez rir... (desculpe Adam) Adam Levine versão platinada O.o ... Mas depois de um tempo vendo-o começa a parecer legal... Se ele queria mostrar mudança, mostrou! E mudanças de cabelo são legais! Eu agora sosseguei meu facho, mas já fiz de tudo que puder se imaginar no meu cabelo... Só depois de mais de 4 anos que vim mexer no meu cabelo e fazer as mudanças que vocês já devem ter visto nas minhas fotos e que no fim acabei curtindo bastante! Já deu uma mudada... Precisava disso!
Numa dessas o Levine precisava também... Vai saber! 

Músicas:

Maps:
No início eu achava legalzinha, mas não morria de amores, hoje acho uma das melhores músicas do CD, apenas queria que tivesse tido um vídeo clipe melhor... Eu sou muito visual e sempre acabo sendo inspirado pelo que vejo, se o clipe tivesse sido um clipe diferente do oficial talvez tivesse me motivado a desenhar algo.



Animals:
Amor à primeira ouvida! Já tinha gostado da música MUITO, mesmo antes dos comerciais dos hamsters que tanto gosto.  Animals para mim é boa em tudo, letra, música, batida e até o “uivado” do Levine na finaleira da música, aliás... Essa música fica ainda melhor no clipe abaixo, na apresentão ao vivo no SNL. Preste atenção no fôlego do Levine no gritinho final.

video


Quanto ao clipe... Queria muito ter feito uma ilustração dele! Mesmo sendo vegetariano eu curti. (Veja a parte da cantoria no freezer do açougue)
O clipe é fichinha se comparado a... True Blood! Quem assistiu o seriado dos vampiros da HBO sabe o quanto rolava sangue pra todo lado por lá... Não entendo o porquê de tanto alvoroço com este clipe... Whatever!

De esquerda para direita: Bill (versão lilith), Adam e sua digníssima esposa numa chuveirada de sangue e Lilith no outro canto.
Deu tanto “bafafá” a criação do Maroon 5 e seu stalker que eu acabei optando por não desenhar algo que pudesse ser odiado... Se bem que não levo muito em consideração isso nos meus trabalhos, mas ultimamente estou optando por fazer o que sei que vai ser “tiro-e-queda”.

It Was Always You:
É uma baladinha boazinha, nada super diferente, mas ela tem umas pegadas boas, um som grudento (já me peguei cantarolando ela algumas vezes).



Unkiss Me:
Balada... Não sou muito fã de coisa parada (só nos meus momentos de reflexão, ou simplesmente quando dou uma parada de tudo, sabe aqueles momentos de introspecção que as vezes são necessários, uma hora que seja onde você fica somente com você e seus pensamentos... Nesses momentos Unkiss me funciona bem.
Mesmo tendo letra de “descornado” a batida e o som dela a tornam um bom som em V.

Sugar:
Pense em um som que poderia fazer você usar o cabo da vassoura como microfone enquanto dubla o Adam e escorrega seus pés em meias dando passos improvisados de dança.
Esta música tem esse poder!


Leaving California:
Baladinha também... Com cara de verão... Como o nome diz... Lembra Califórnia, você perfeitamente poderia associar a música a uma rua cheia de palmeiras dessa cidade, mesmo não sabendo do que fala a letra. Agora, se você entende a letra, verá a questão do porque de ser baladinha... Simplesmente música de sentimentos amorosos... De prache, algo muito usado pela banda desde seu primeiro CD.

In Your Pocket:
Esta música é muito chiclete!!!  >.<
Fizeram assim de propósito!!! Pense em repetições de uma determinada palavra a cada duas sentenças!!  /o\
É de deixar louco qualquer um!!!
Acho que isso a torna legal... Legal e CHATA! Não é a melhor música do CD mas é uma das que você vai lembrar... Pode crer nisso!

New Love:
Balada, balada mesmo!
Sem mais.

Coming Back For You:
Esta música não é precisamente balada, mas não é uma música rápida.
Ela tem uma pegada “balada dançante do início dos 90”. Se você a ouve perfeitamente poderia dizer que se trata de uma música das antigas.

Feelings:
Não gosto desta música, não gosto do refrão, nem essa pegada  “boogie-night” dela!! Simplesmente não dá... O refrão tem uns gritos esganiçados do Adam que não tem como suportar... Bom na real tem, sempre tem alguém que gosta e gosto não se discute, mas eu particularmente não curti.

My Heart Is Open (feat. Gwen Stefani):
Gwen Stefani … #caradenojinho
Houve uma época que curti ela um pouco mais… Alguma que outra coisa… Não mais... Ela é meio... Sansa-Sonsa (GoT feelings) pelo menos neste som não curti sua participação.
A música pra quem curte balada mesmo, daquelas bem melosas e paradas é prato cheio... Eu não sou muito chegado, acabo ficando enjoado com som muito paradão.

(Bônus da versão Deluxe) Shoot Love:
É um som legal... Faz a gente ir embalando com o Adam que parece que vai acelerando até chegar ao refrão que dá uma aliviada em notas estendidas que acabam parecendo o ápice do embalo.  Tipo,  pense numa montanha russa; a música começa e você vai subindo os trilhos com seu carrinho e quando chega ao refrão o carrinho despenca, embala e faz um looper...! Essa seria a melhor descrição.
Não é a melhor parte do CD (deluxe), mas é uma parte legal.

(Bônus da versão Deluxe) Sex and Candy:
Não espere um som pegado com esse nome... hehehe... Sim, é balada também... Confesso que em muitas partes da música me lembrou do som do Justin Timberlake, ele perfeitamente poderia cantar esta música sem maiores complicações.

 (Bônus da versão Deluxe) Lost Stars:
Lembra balada dos anos 80! Sério... Bem aqueles sons românticos oitentistas...! Bonitinha para quem curte este estilo, não pra mim.

 E para deixar o review bem completo vou comentar os dois remixes, supostamente oficiais de Maps que consegui junto.

Maps (feat. Big Sean) (Remix): 
Esta versão é exatamente igual a oficial, apenas muda a introdução dela que tem a parte do Big Sean e deixa ela com cara daqueles hip-hop de mano (nada em contra de quem curte), mas eu não sou chegado... Acho legal remixes que mudam completamente a música, este apenas acrescentou uma parte nela e nada, além disso.

Maps (feat. J. Balvin) (Rumba Whoa Remix):
Esta sim é uma versão remix!  A música já é diferente logo que começa. Está mais rápida e a batida mais constante e acelerada. Ficou bom.
Lá pelos 02:30''  para surpresa de todos aparece uma parte em espanhol no melhor estilo reggaeton que ficou muita boa... E quando a gente está chegando ao fim dessa parte achando que era algo que não se esperava chega o Adam arranhando um espanhol a la gringa  com sua frase “ Y yo fui quien te acompaño em la oscuridad, quien nunca falló...oh!” e a reação imediata é ficar entre o sorriso e surpresa... E não é que ficou bom!?



E com isto finalizo meu review...
Pra quem curte espero ter feito jus, para quem está na dúvida espero ter ajudado a se decidir a ouvir, ou até comprar o álbum... Mesmo vivendo na época do streaming e do download digital eu sou saudosista e gosto de pegar na mão e de guardar então CD para mim é sempre a escolha a ser feita!

Nos falamos semana que vem então! E não se esqueça, no meio tempo visite nossa fanpage (link aqui ao lado) Athene e eu estamos sempre publicando coisas aleatórias por lá, e além disso, tem todos nossos outros links, até nossos instagram caso vocês queiram nos seguir e ver nossas maluquices diárias através deles.



Um abraço barbudo em todos deste barbudo que vós escreve e torce por um finde bacana para todos! ;)
Fui!


0 Comments:

Postar um comentário

Seja gentil!
Nada de ódio!!
Faça amor não faça a barba!!